A tecnologia Optane de SSDs e memórias criada pela Intel e Micron chega aos consumidores domésticos. A Intel lançou módulos de 16 e 32 GB que funcionam como um tipo de memória cache extra de altíssima velocidade para melhorar a performance dos PCs.

Apesar de pouca quantidade de espaço tornar o uso desses discos como unidade de armazenamento é inviável, a alta velocidade (até 900 MB/s) de leitura deve garantir um aumento perceptível na velocidade de processamento nos sistemas em que essas unidades forem instaladas.

Os novos Optane chegaram em abril de 2017 por preços relativamente baixos. A unidade de 16 GB custará US$ 44 (R$ 138, em conversão direta) e US$ 77 (R$ 241) para as versões de 32 GB. Os Optane poderão aparecer em computadores novos no segundo semestre.

Em números, a Intel diz que a diferença de velocidade em favor do computador equipado com o Optane deve chegar a 28%, se comparado com uma máquina que usa discos rígidos convencionais. Com relação à velocidade de acesso dos dados guardados, o aumento é de 14 vezes sobre o desempenho padrão e aplicativos recorrentes, como Chrome e Outlook, devem inicializar 14 vezes mais rápido.

Para quem joga, segundo a Intel, os discos Optane poderão elevar a velocidade de carregamento em até 67%.

A ideia da Intel é permitir que seus novos SSDs sejam adaptados como um tipo de memória de alta velocidade e com preço relativamente competitivo. Entretanto, quem ficou interessado nos Optane precisa de uma placa-mãe com chipset compatível com a tecnologia e processador de sétima geração.

Embora os ganhos de performance sejam muito altos, eles acabam restritos aos usuários que possuem hardware mais atualizado.

Deixe uma resposta