Quer deixar o seu computador ou notebook mais potente e rápido? Discos SSD são a melhor opção para isso, pois apresentam alta taxa de transferência e ajudam a iniciar o Windows mais rápido. No entanto, será que essa nova tecnologia vale mesmo a pena?

SSDs (Unidade de Estado sólido)

Comprar um SSD para o computador ou notebook é uma ótima opção para acelerar o desempenho do computador. O motivo é simples: enquanto um HD moderno de 7.200 RPM consegue ler dados à apenas 200 Mbps (megabits por segundo), unidades SSD podem chegar a velocidades de 550 Mbps ou mais. O ganho em velocidade de carregamento do sistema e programas é perceptível e pode chegar a carregar programas duas vezes mais rápido do que em um HD comum.

A outra grande vantagem do SSD é a durabilidade. Como não possuem partes mecânicas, quedas acidentais ou vibrações não causam muitos dados, ao contrário dos HDs onde pequenos acidentes podem ser fatais para o disco magnético.

Apesar dos pontos fortes, o SSDs tem uma desvantagem que deve pesar bastante, o preço. Substituir um HD de 1 TB por um SSD com a mesma capacidade pode não ser uma boa ideia, já que o dispositivo convencional custa bem mais caro.

Tamanho investimento em uma unidade de armazenamento SSD é desnecessário. Apenas alguns arquivos do sistema operacional são usados com mais frequência. O ideal ao comprar uma nova unidade de armazenamento, é manter a antiga para armazenar dados importantes, mas que não sejam utilizados com frequência.

Uma boa saída é comprar uma unidade com menor espaço de armazenamento para guardar o sistema operacional e programas mais utilizados. Algumas placas novas possuem um sistema que identifica o SSD e utiliza Cache do HD, onde os dados ficam armazenados permanentemente.

 Mas se a sua placa não possui o recurso, o usuário pode fazer o truque através de softwares que acompanham os novos discos.

Nesse caso, o SSD é indicado para arquivos que possam ser substituídos ou que precisem de acesso constante ao disco, como dados do sistema operacional e programas mais usados. Há também outro bom motivo para reservar o SSD apenas para o sistema operacional, este tipo de disco não costuma dar indícios de que terá problemas, como um HD convencional. O componente simplesmente “morre”, tornando muito difícil a recuperação dos dados.

HDs (Disco rígido)

Os discos rígidos ou HDs, por sua vez, tem uma relação custo-benefício melhor e são a solução mais barata para armazenamento. Por isso, mesmo com um surgimento dos SSDs, continuam a figurar uma opção interessante, principalmente para guardar grande volume de dados.

Além da vantagem de preço, um HD costuma “avisar” o usuário quando apresenta problemas. Isso pode ser percebido através de blocos defeituosos no disco ou usando a tecnologia S.M.A.R.T, que envia um aviso de falha eminente.

Já para notebooks, os HDs apresentam uma desvantagem natural por serem mecânicos e apresentarem partes móveis que podem sofrer dados devido a vibrações ou quedas. Os mais indicado para esses dispositivos são os SSDs ou discos híbridos, que contem partes das duas tecnologias e são uma boa opção para quem já possuem o equipamento e pretende apenas trocas o componente.

Discos Híbridos

Como uma espécie de “meio termo”, há ainda o formato de discos híbridos, que consiste em unidades de armazenamento que possuem uma parte SSD, geralmente apenas 8GB e o restante funciona como um disco rígido comum. Sua vantagem é aliar a velocidade de um SSD com a grande capacidade de armazenamento dos HDs convencionais.

8GB não é o suficiente para a instalação de um sistema operacional como Windows 7,8 e ou 10. Ambos, facilmente ultrapassam 10GB depois de instalados. Então o que um disco híbrido faz? Através de um sistema de cache, ele armazena automaticamente no SSD os blocos mais utilizados, como os arquivos de inicialização do sistema e programas mais utilizados. Isso livra o usuário de perder tempo com escolhas e otimiza a velocidade de transferência, que pode chegar a 600 Mbps.

Discos Híbridos são a solução ideal para substituir de um antigo HD, pois sua principal vantagem é aliar o melhor de ambas as tecnologias, estado sólido e disco magnético, mantendo uma faixa de preço mediana.

Sua desvantagem é a baixa quantidade de espaço SSD que não irá garantir uma melhora em todos os programas utilizados. O ganho em velocidade é perceptível, mas ele será menor do que o de um disco completamente SSD. Em alguns casos, com o uso de muitos programas e jogos pesados, essa vantagem pode diminuir.

Outro aspecto importante que o usuário precisar ter conhecimento é com relação à manutenção. Unidades SSD não precisam de manutenção frequente. Desfragmentação, algo comum em HDs com sistema operacional Windows, não são necessários e podem até prejudicar o seu SSD.

 

Deixe uma resposta